Spiga

DISCIPLINA

Disciplina no dicionário (BUENO, 2000, p. 206) é definido: “ordem; respeito, obediência às leis; instrumento de penitência; matéria de estudo”. E a indisciplina seria contrária à disciplina, ela significa “desobediência, insubordinação, rebelião”.
Segundo Rebelo (2002), a concepção de disciplina tem sua origem na ideologia liberal no século XVII, e mantém características de aprisionamento. Com o surgimento da classe burguesa industrial que favorece o modo de produção capitalista e o controle, a disciplina manifestou-se por vários instrumentos como o olhar hierárquico, as sanções e a vigilância. Tudo para que se obtenham mentes e corpos dóceis e submissos.
Na educação brasileira a missão da Companhia de Jesus , os jesuítas tinham como missão a propagação da fé cristã, mediante a catequese e a instrução. Para isso, Peixoto (2005) comenta o fato de terem elaborado o Ratio Studiorum , no qual dispuseram os princípios de sua ação educativa baseados em três características principais: a disciplina (vigilância constante, obediência e conceito de sanção uniformizado); a didática (repetição, memorização, emulação, premiação, academias estudantis); e o conteúdo (humanista, com ênfase nos clássicos gregos e latinos, objetivando formar bons súditos para o Rei e bons cristãos para a Igreja).
Rebelo (2002, p.43) ressalta que a escola que utiliza a disciplina como instrumento de dominação coloca a instituição a favor do mecanismo de controle social que contribui para os interesses da classe dominante.
Valle (2005, p. 80) reconhece que as normas determinadas pela escola devem ser permanentemente avaliadas, uma vez que só pelo fato de existirem elas não garantem a disciplina. Para a autora, a disciplina é conseqüência de um processo educacional no qual se dialoga e determinam-se as atitudes a serem respeitadas e cumpridas. E desta idéia pode-se pensar no termo indisciplina, comumente utilizado como aquilo que extrapola o controle, desobediências às regras. Desse modo, alguns autores, como Guimarães (1996, p.17), retomando a obra de Meffesoli argumentam que a indisciplina desenvolve-se na astúcia do povo, como uma proteção contra as imposições sociais, como um meio de resistência.

ÁUREA, M. Guimarães. A dinâmica da violência escolar conflito e ambigüidade. Autores Associados, 1996.
BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069. Brasília: julho de 1990.
BUENO, Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, 2000.
REBELO, Rosana A. Disciplina Escolar: causas e sujeitos. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.
REGO, Tereza. A indisciplina e o processo educativo uma análise na perspectiva vygotskiana. In: GROPPA, Julio Aquino. Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. 11 ed., 1996.

3 comentários:

  Leee

21 de julho de 2009 09:11

Oi tia
ficou muito bom !
te adoro
continue assim!beijos Letícia

  MARIA LUIZA

21 de julho de 2009 09:18

Adorei a sua pagina
continue colocando mais assuntos sobre a educação.

Beijos filha!

  Eluiza Delfino

21 de julho de 2009 14:01

Obrigada pelo incentivo. Beijos Lu